22

fev
2019

Relato de viagem: Yoga no Solo Sagrado

Escrito por:Carla Cocenza/ 226 0
Compartilhe:

Fique por dentro

Não nos perca de vista!! 

Programação e dicas de

viagem direto no seu email

Minha relação com a yoga começou há alguns anos, quando me chamou a atenção um livro em um sebo sobre o assunto. Já tinha visto as várias “poses” em TV e revistas, mas não sabia mais que isso. O livro era bem simples, com posições para objetivos práticos “emagrecer”, “melhorar a coluna”, mas continha alguns textos que tocaram meu coração: textos que falavam sobre a paz interior, o real objetivo de todos nós.

Me sentia muito bem com as sequências, mas não levei muito adiante, na época eu estudava e trabalhava e acabei não me aprofundando no assunto. Nos encontramos novamente, eu e a yoga, numa oportunidade incrível: um curso gratuito que a Profa. Sílvia Meirelles ministrava. Embora com medo de fazer papel de boba (errar todos os movimentos com pessoas me olhando), eu sabia que precisava começar, de uma vez por todas, uma rotina de exercícios físicos – e a academia já tinha se mostrado não ser minha praia.

Fique muito feliz ao descobrir que a Yoga não é uma competição (risos): cada um faz no seu limite. Se o objetivo é elevar a perna a 90º e você consegue levantar em 20º, está tudo certo. Você aprende a valorizar quem você é no momento presente, a se respeitar e neste ritmo, consegue observar seu desenvolvimento: a cada dia a perna sobe mais, as dores antigas vão embora e sua respiração parece que te abraça.

                A Yoga é muito mais do que a sequência de ásanas (posturas), como eu vim a descobrir, de fato. Há muitas estórias e lendas envolvendo sua origem, mas a ideia geral é que os homens sentiam uma conexão divina na meditação, mas não conseguiam ficar por muito tempo em uma só posição, então foram inspirados – ou desenvolveram – uma série de posturas que dariam equilíbrio ao corpo e permitiria que pudessem ficar o máximo de tempo em suas conexões espirituais.

                A yoga é uma filosofia. Ela engloba a meditação, as ásanas, mudras, respiração e um estilo de vida de paz consigo, com o próximo e com o mundo. A prática de suas sequências traz benefícios comprovados cientificamente.

Hoje eu a considero uma companheira, embora não pratique todos os dias, ela me ajuda quando estou em algum pico de stress ou crise de ansiedade – faço um exercício de respiração, um mudra (posição específica das mãos que leva a um outro estado de espírito) ou uma sequência e me sinto mais forte.

Foto: Carla Cocenza

No final deste post: um roteiro especial para você!

O objetivo da Arterra Turismo + Arte é exatamente mostrar às pessoas que é possível ter uma vida mais equilibrada: passeios de um dia para fugir do caos da semana, lugares próximos e com valores acessíveis para melhorar nossa qualidade de vida.

Queríamos muito unir a Yoga a um de nossos tours, tanto para pessoas que já praticassem como para novos, e a descoberta do “Solo Sagrado de Guarapiranga” nos permitiu unir a natureza, um local com uma energia especial e a prática da Yoga.

O Solo Sagrado de Guarapiranga

Antes de visitá-lo, as informações na internet falavam sobre ser um local criado pela Igreja Messiânica, que eu nunca havia ouvido falar. De origem japonesa, segundo seu site “tem como principal objetivo a criação do Paraíso Terrestre – um mundo isento de doença, miséria e conflito – criando e difundindo uma civilização religiosa que se desenvolva lado a lado com o progresso material.” Ou seja, um ideal de equilíbrio.

Há cinco “Solos Sagrados” construídos, 3 no Japão, 1 na Tailândia e 1 no Brasil. São locais projetados harmonicamente, seguindo os preceitos da religião “da Verdade, do Bem e do Belo”.

O Solo de São Paulo fica às margens da represa de Guarapiranga, na zona sul da capital. Logo que chegamos ali, podemos perceber uma energia diferente. Como vamos em grupo, reservamos previamente uma visita guiada. Todos os guias dali são membros voluntários da igreja, sempre muito solícitos e simpáticos.

Aos poucos vamos sendo apresentados à sua filosofia e práticas, enquanto ficamos boquiabertos com a beleza e grandeza do lugar.

Foto: Carla Cocenza

A principal prática religiosa deles é chamada de “Johrei”, uma técnica de imposição de mãos para trazer paz à pessoa – prática análoga ao reiki, passe espírita ou bênção cristã. Somos convidados a receber esta “luz”, ficando livres para aceitar ou não. Eu, que sou curiosa sobre as diversas formas de se viver a espiritualidade, aceitei e gostei muito, senti muita paz e harmonia.

Seguimos nosso passeio conhecendo o lago de carpas, o centro cultural, a livraria e as plantações orgânicas. Eles possuem um restaurante vegetariano e uma lanchonete que possui opção vegetarianas e não-vegetarianas.

A prática de Yoga ali complementa ainda mais a sensação de gratidão e unidade com nosso ser e a natureza. Sinto uma restauração de energia surpreendente.

Se você está se sentindo curioso ou precisando de um momento de contemplação e reequilíbrio, junte-se à nós para viver esta experiência.

Conheça de perto com a Arterra Turismo!

YOGA NO SOLO SAGRADO 

Tour de 1 dia

🕘 Saída:     08:00hs
🕘 Retorno: 16:00hs

📍 Local de encontro: Metrô Vergueiro.

💼 Incluso no pacote:
• Transporte executivo;
• Guia de turismo Arterra;
• Guia Local;
• Entrada no Solo Sagrado;
• Prática de Yoga com a Professora Silvia Meireles;
• Fotografia durante o passeio.

💰 Valor por pessoa:
R$ 140,00 – Adulto;
R$ 126,00 – Entre 5 e 10 anos.

Gostou?

Confira as datas disponíveis:

Deixe seu comentário

Please enter comment.
Digite seu nome
Please enter your email address.
Please enter a valid email address.